Joel morto? Naughty Dog fala sobre a importância das teorias, fim de Uncharted, PS4 PRO e mais



Depois de Neil Druckmann, escritor e diretor de The Last of Us Part II, revelar que não sente a necessidade de dar um final final feliz ao novo game e sobre a importância das teorias geradas pelos fãs, chegou a vez do diretor de comunicações da Naughty Dog, Arne Meyer, comentar um pouco dos avanços do estúdio, seus títulos em desenvolvimento e mais.

Em entrevista ao Gamesradar, o dog, inicialmente, foi questionado sobre o fim da franquia Uncharted após The Lost Legacy e como se sentem em relação a isso:

Temos muito investimento emocional nele (Uncharted The Lost Legacy). Mas acho que quando estávamos trabalhando na história de Uncharted 4 - sabendo que este foi o último para Nathan Drake, havia um nível de seriedade para ele e nós colocamos um monte de ideias nele. Parece muito bom de terminar, e fomos capazes de ter essa sensação de encerramento com a forma como o fizemos. O jogo tem fechamento e de fato serviu como fechamento para nós também.

Já em resposta as especulações da comunidade sobre a a morte de Joel em The Last of Us Part II e as teorias em geral, ele disse ser divertido, que ficam emocionados por seus jogos terem o mesmo impacto que filmes e séries de TV, e que é muito importante deixar tudo isso em aberto e ver onde vai dar.

Sobre as declarações de Druckmann:

Ele estava especificamente se referindo quando olhamos para a elaboração da nossa campanha. No que diz respeito aos trailers e informações que colocamos, queremos levar os nossos fãs numa jornada como fazemos com os nossos jogos. Os altos e os baixos.

Com a chegada do PS4 PRO, o porta-voz da desenvolvedora não exitou em falar do impacto que o novo console terá em seus jogos

Nós definitivamente pensamos sobre isso desde o início do desenvolvimento, embora Uncharted: The Lost Legacy esteja usando o motor de Uncharted 4. Ainda é algo que estávamos pensando quando começamos o desenvolvimento do Lost Legacy e como estávamos nos aproximando dele. Mas o fato é que nós ainda temos que fornecer benefícios para ambos os consoles assim que nós somos informados sobre o material que o Pro permite que nós façamos. Acho que você pode ter visto todos muito empolgados com o HDR e como a qualidade da imagem fica. Mas sempre tentamos oferecer a melhor experiência, não importa em que plataforma estamos, independentemente das restrições ou capacidades que temos, e isso acrescenta mais opções.

O céu é o limite

Eu acho que para nós, a parte que nos inspira, é que sempre tentamos levar o hardware que estamos ao máximo, nos dá a oportunidade de tentar explorar algumas coisas sem ter que renovar nosso motor. É emocionante dizer 'tudo bem, podemos levar as coisas um pouco mais longe sem ter que refatorar tudo o que estamos trabalhando.' É ótimo olhar para as oportunidades que ele nos dá.

Para finalizar, uma característica bastante conhecida pelos fãs, é o fato do estúdio trabalhar em dois games diferentes em paralelo, desde 2011. 

A realidade é que somos um estúdio de um jogo. Embora tenhamos talvez algumas equipes de pré-produção trabalhando aqui e ali, não somos tão disciplinados para não dizer que vamos pedir emprestado essa pessoa, vamos pedir emprestado a essa pessoa. Então, quase toda a equipe está trabalhando em algo, e eu acho que nós chegamos a um acordo e esse é o modo como nosso estúdio vai operar. Contratamos muito lentamente, muito deliberadamente. Nós somos um pouco mais de 200 pessoas agora, então não temos a capacidade de trabalhar totalmente em dois jogos em paralelo dessa forma sem tentar roubar recursos de uma. Então, para que possamos fazer o melhor jogo possível, precisamos nos concentrar em um jogo.


Tecnologia do Blogger.